O que verdadeiramente me irrita

Num país onde ninguém se governa nem quer ser governado…

Arquivo de Vale a pena ver de novo

Ó Vasconcelos, faz lá um filme sobre isto!

Foto Pedro Correia/JN

“Vai pró caralho!”

Foi com estas palavras que o Deputado José Eduardo Martins (PSD)  brindou o seu colega do PS, após este ter insinuado que o advogado eleito pelo círculo de Viana do Castelo teria interesses na venda de paineis solares.
Aparentemente foi um escândalo. Não sei porquê.

Fosse comigo e ele tinha sido brindado com um “vai à grande puta que te pariu, filho da puta!”
Mas, lá está, eu também não sou de Viana…

O Milagre de Natal

Recordo com um misto sentimental de melancolia e alegria os Natais da minha infância. Mais do que pelas prendas, que apesar de sempre desejadas, nunca foram exigidas (outros tempos, outras mentalidades, menos mimo e mais carinho), a bruma da memória dissipa-se com a lembrança dos programas da tarde da RTP (incluindo o Natal dos Hospitais – sim, é verdade!) e o cheiro da aletria, do leite-creme e do rolo de chocolate que me assolava as narinas vindo da cozinha da minha avó Belmira. E se alguém sabe fazer rolo de chocolate, acreditem quando digo que é a minha avó! Nos dias que antecediam a vinda do Pai Natal (ou da minha mãe vestida com um ridículo fato vermelho, com uma almofada a fazer de barriga proeminente e a tentar tornar mais grave a sua voz de rouxinol), a ânsia pelo rolo de chocolate era tanta que, depois da hora do almoço, “não havia menino”, que é como que diz, nem me passava pela cabeça sair de casa, por muito sol que fizesse no pátio do meio da “Ilha do Preguiça”. O meu único irmão, mais velho que eu, declarara-se meses antes “muito crescido para essas coisas”, e invariavelmente ia ter com os amigos para passarem o resto da tarde juntos, fortalecendo ainda mais – se é que ainda mais fosse possível – os laços de amizade. Restava-me, pois então, honrar a tradição que tinha começado com ele, o neto mais velho (ou como diria a minha avó, “O filho mais novo”, ou não fosse ele ter nascido no dealbar da década de 70, em plana cama dela…) e assumir o meu papel de líder, de provador oficial da cozinha de Natal da D. Belmira.
Era só quem me visse, qual “Miúra”, atravessando as portas e entrando na arena com os olhos postos na bacia onde repousava o chocolate que não teve a felicidade de se enrolar com a massa do bolo. A mão certeira da minha avó fazia este milagre. Será sempre, para mim, o verdadeiro Milagre de Natal!

Per7ume

Ontem, pelas 22h, actuaram ao vivo na FNAC do Gaiashopping.
Depois de ter ouvido algumas músicas do álbum estava curioso para descobrir como se comportariam ao vivo.
Não desiludiram.
Um bom som, um bom entendimento com a centena de pessoas que se acotovelou para assistir ao evento. Uma prestação notável! Valeu bem a pena enfrentar a chuva, o frio e o vento.

E o sonho realizou-se!…

060922_barackobama_xtrawide

“I have a dream…”.
Começou assim um dos mais famosos discursos de todo o mundo, proferido pelo Rev. Martin Luther King, Jr. em Washington. Estavamos no ano de 1963, em 28 de Agosto para ser mais preciso, e King discursava na escadaria do Lincoln Memorial. Em defesa da igualdade de direitos entre negros e brancos, King deu a cara e, sem se aperceber, tornou-se um mito.
Durante décadas, MLK foi o exemplo maior da luta que os negros empregaram em busca do que deveria ser senso comum: somos todos iguais, independentemente de raça ou credo religioso.

Ontem, durante a madrugada, os EUA elevaram ainda mais alto a fasquia: elegeram o primeiro presidente afro-americano da sua História!
Este aspecto é tão mais relevante quando devemos ter em conta que, ainda hoje, 40 anos depois do assassinato de King, a “white america” conseguia manobrar-se bem nos corredores do poder. Isso termina, espero, agora.
Mais do que democratas e republicanos, negros e caucasianos, a dicotomia existente entre os “rednecks” da América profunda (de que George Walker Bush e Sarah Palin são legítimos representantes) e a América civilizada ficou mais que demonstrada.

A América mudou. Para melhor. Porque demonstrou espírito de união e vontade de mudança mas, acima de tudo, gritou do alto do seu âmago, tal como MLK o tinha feito na escadaria do Lincoln Memorial, “Free at last, free at last. Thank you God allmighty, we’re free at last”!

Ei-lo…

A Elle, do “É bem capaz“, decidiu agraciar-me com este prémio. Agradeço a distinção.

blogbom.jpg

As “regras” ditam:
1 – Este prémio deve ser atribuído aos blogs que considerem serem bons, entende-se como bom os blogs que costuma visitar regularmente e onde deixa comentários;

2 – Só e somente se recebeu o “É um blog muito bom sim senhor”, deve escrever um post incluindo: a pessoa que lhe deu o prémio com um link para o respectivo blog; a tag do prémio; as regras; e a indicação de outros 7 blogs para receberem o prémio;

3 – Deve exibir orgulhosamente a tag do prémio no seu blog, de preferência com um link para o post em que fala dele.

Os 7 nomeados, por ordem alfabética:

Alien’s Corner
Carambas
Entre do(i)s Mundos
Estórias
Lavandaria
Teoria do Kaos
The Old Man

Mais havia por onde escolher. Optei por estes. Não faço distinções especiais na minha lista de terapias. São todas essenciais…

Com a pressa…

… quase me esquecia que o Vida Irritante – O que Verdadeiramente Me Irrita completa hoje o seu 4º aniversário.

Lembrou-me, bem, o OldMan.

Da minha parte, agradeço as visitas e o apoio dado nestes 4 anos. Espero manter ambas durante pelo menos mais quatro.